PROJETOS

Armadilha e inseticida contra o mosquito da dengue

Aluna: Bianca Fátima Araujo Bim
Profª. Orientador(a): Rita M. Saraiva de Barros
Profª Coorientador(a): Sandra M. Rudella Tonidandel

Ano: 2016

Premiações

Descrição

O Aedes aegypti é um mosquito que se originou no Egito e se espalhou pelo mundo pelas embarcações que levavam escravos, sendo capaz de transmitir numerosas doenças diferentes, destacando-se entre elas a Dengue, o Zika vírus, a Febre Amarela e a Chikungunya. Estas doenças são um grave problema sanitário no Brasil e a eliminação do mosquito transmissor é fundamental para que se evitem grandes problemas de saúde pública. O objetivo deste projeto é encontrar fontes naturais de odores capazes de atrair esses mosquitos, para depois matá-los, criando uma armadilha que seja eficaz e que possa ser usada como objeto de decoração. Podemos encontrar diversos inseticidas e repelentes no mercado, mas seus custos muitas vezes são inacessíveis para uma grande parte da população e além disso, podem causar graves desequilíbrios ambientais. A questão é como construir uma armadilha eficaz que atraia e mate o mosquito Aedes aegypti. Após pesquisas sobre comportamentos do Aedes, chegamos à conclusão que o mosquito pode ser atraído por odores específicos e que cheiros do corpo humano como o gás carbônico eliminado na respiração, o ácido lático acumulado no suor e o chulé, que se juntam com bactérias acumuladas no nosso corpo diariamente, atraem o mosquito. Usando esses odores pretendemos atrair o Aedes que seria morto pelo uso de uma armadilha, que não permitiria a sua saída após a captura. Para avaliar a eficácia de tais odores, utilizaremos um aparelho que nos permita observar o comportamento dos mosquitos, chamado "olfatômetro". Colocaremos as substâncias a serem testadas em todos os lados do "olfatômetro", e os mosquitos no centro do protótipo, avaliando após um tempo determinado qual a substância mais eficaz, por atrair a maior quantidade de mosquitos. Para testar um inseticida natural, colocaremos uma substância a ser testada de cada vez no centro do "olfatômetro" e nas laterais os mosquitos, observando qual substância matará maior quantidade de mosquitos. Testes estatísticos dos resultados serão realizados e, se algum odor se mostrar eficiente, seus componentes básicos serão separados para avaliar quais substâncias específicas são responsáveis pela alteração no comportamento dos insetos.

Palavras-chave: Aedes aegypti, armadilha e inseticida natural